quarta-feira, 25 de maio de 2011

Aquela

De todos os mundos escolhi viver o seu. Mergulhei fundo no abismo escuro. Quanto mais caía, mais adorava e imaginava quando chegaria a você. O chão, este nunca veio. Não deu tempo. Corri para acender as luzes do quarto. Em que plano estaria? Perdi os sentidos por um momento. Desprendi-me de mim. Uma fuga - parei de respirar quando te vi. Voltei ofegante depois de te ouvir. Já era tarde. Que dia é hoje? Que alegria? Era você que eu via. E lá se ia o dia. E agora, quantas horas? Tantas quantas infindas desde aquela. Dos olhos em repouso, do contorno do seu rosto, das cores - meu mundo por ela.

4 comentários:

  1. Muito bonito. A começar pelos desejos de se comprometer e de se relacionar plenamente, implícitos no texto e, infelizmente, tão "fora de moda" ultimamente.

    ResponderExcluir
  2. Gabriela, vc passo no blog para votar em uma candidata ao concurso de make., retribuindo a visita , obrigada

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito...bela construção...

    abraço!

    ResponderExcluir
  4. Gosto muito desse emaranhado de significados que parecem aleatórios a princípio mas que no final de encaixam como se tecidos para e pelo mesmo fio/fim.

    ResponderExcluir